Descoberta revela a singularidade do sentido de ordem humano

Um estudo recentemente publicado na revista científica PLoS ONE destaca a singularidade do sentido de ordem que distingue os seres humanos de outros animais. Essa capacidade de lembrar a ordem das informações desempenha um papel central na participação em conversas, no planejamento da vida cotidiana e na educação.

A pesquisa revela que essa habilidade é provavelmente exclusiva dos seres humanos, uma vez que mesmo parentes próximos, como os bonobos, não aprendem a ordem da mesma maneira.

Leia mais:

Descoberta a pegada de Homo sapiens mais antiga do mundoPegada gigante de dinossauro é descoberta no Reino UnidoEstudo comprova que pegadas antigas na Tanzânia são mesmo de humanos

O estudo contribui com mais uma peça para o quebra-cabeça sobre como as habilidades mentais dos seres humanos e outros animais diferem, e por que apenas os seres humanos falam línguas, planejam viagens espaciais e aprenderam a explorar a Terra de forma tão eficiente que agora representam uma séria ameaça para inúmeras outras formas de vida.

Johan Lind, professor associado de etologia e vice-diretor do Centro de Evolução Cultural da Universidade de Estocolmo

Sentido exclusivamente humano

Pesquisas anteriores na Universidade de Estocolmo sugeriram que apenas os seres humanos têm a capacidade de reconhecer e lembrar informações sequenciais, ou seja, têm sentido de ordem.Isto é considerado um componente fundamental das habilidades culturais humanas únicas.No entanto, essa hipótese sobre a memória sequencial nunca havia sido testada nos parentes mais próximos dos humanos, os grandes símios.Os novos experimentos demonstram que os bonobos, um dos grandes símios, têm dificuldades em aprender a ordem de estímulos.No livro recentemente publicado “A Transição Evolutiva Humana: Da Inteligência Animal à Cultura” é lançada uma nova teoria sobre como os seres humanos se tornaram seres culturais.Uma ideia central dessa teoria diz respeito à diferença na forma como os seres humanos e outros animais reconhecem e lembram informações sequenciais.O livro é assinado pelos etologistas Magnus Enquist e Johan Lind da Universidade de Estocolmo, juntamente com Stefano Ghirlanda, pesquisador em psicologia do Brooklyn College, Nova York

Já analisamos um grande número de estudos que sugerem que apenas os seres humanos reconhecem e lembram informações sequenciais de forma fiel. No entanto, mesmo que tenhamos analisado dados de vários mamíferos e aves, incluindo macacos, faltavam informações de nossos parentes mais próximos, os outros grandes símios.

Johan Lind

O estudo

Em uma série de experimentos, a capacidade de memória de bonobos e seres humanos foi testada ao pressionarem telas de computador para aprender a distinguir entre sequências curtas. Por exemplo, como pressionar para a direita se um quadrado amarelo aparecer antes de um quadrado azul ou pressionar para a esquerda se o quadrado azul aparecer antes do quadrado amarelo.

O estudo mostra que os bonobos esquecem que viram um quadrado azul apenas cinco a dez segundos depois de ele desaparecer da tela e que têm grande dificuldade em aprender a distinguir as sequências quadrado-azul-antes-do-quadrado-amarelo da sequência quadrado-amarelo-antes-do-quadrado-azul, mesmo após milhares de tentativas de treinamento.

Vera Vinken, associada à Universidade de Estocolmo e estudante de doutorado no Instituto de Ciências Biológicas da Universidade de Newcastle, no Reino Unido

Por outro lado, o estudo revela que os seres humanos aprenderam a distinguir as sequências curtas quase imediatamente. No entanto, ainda falta demonstrar exatamente como nossos parentes mais próximos podem lembrar e usar informações sequenciais.

Agora sabemos que nossos parentes mais próximos não compartilham as mesmas habilidades mentais sequenciais dos seres humanos. No entanto, embora os resultados indiquem que sua memória de trabalho funciona em princípio da mesma forma que em ratos e pombos, ainda ninguém demonstrou isso na prática.

Magnus Enquist, professor emérito e cofundador do Centro de Evolução Cultural

Esses novos resultados fornecem mais apoio à hipótese da memória sequencial. Isto sugere que durante a pré-história humana, a capacidade de lembrar e processar sequências evoluiu, sendo um mecanismo necessário para muitos fenômenos exclusivamente humanos, como a linguagem, a capacidade de planejamento e o pensamento sequencial.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

O post Descoberta revela a singularidade do sentido de ordem humano apareceu primeiro em Olhar Digital.

Fonte: Olhar Digital 

Deixe seu comentário
26 C
Belém
- Publicidade -spot_img

Últimas notícias